15.9.10

Realidades alternativas - Chevrolet (Parte1)

O que aconteceria se certas decisões fossem alteradas no passado? Se o nosso mercado tivesse sido mais exigente? Se as matrizes tivessem investido mais nas filiais brasileiras? Quais outros modelos poderiam ter sido fabricados no Brasil? É o início de uma série de conjecturas do passado que  postarei . E a primeira marca será a Chevrolet brasileira, pois sonhar não custa nada...
E se a Chevrolet tivesse entrado no mercado de automóveis de passeio quando foi dado o impulso para a indústria nacional no final da década de 50?  Ela já fabricava por aqui caminhões e picapes mas e os carros?  Quais os modelos que a Chevrolet escolheria para produzir?


Bel-air? Seria a opção americana, o modelo 55 poderia ser lançado já em 1958/59, era um modelo bastante conhecido por aqui, não teria concorrentes, pois o Simca, o  Aero-Willys e o JK eram menores, seria bem maior que a concorrência e consequentemente mais caro,  Seria uma decisão acertada?


A Pickup Brasil teve o mérito de ser um projeto nacional, mas por curiosidade qual picape poderia ser a alternativa? A americana lançada em 1955, popularmente conhecida por aqui como "Marta Rocha"

Rekord e  Kapitän
Voltando aos veículos de passeio, mas se a GMB quisesse um concorrente a altura do Aero e do Simca? Um carro um pouco mais compacto que o Bel-air. A solução poderia vir da Opel européia, como o Olympia já estava obsoleto o Rekord 1957 seria uma boa idéia,  e poderia ter sido lançado em 1960/61, de longe até se parece com um Aero "Frango Assado".  Outra opção seria o Kapitän, um pouco maior que o Rekord, mas ainda compacto se comparado ao americano, apenas o nome não soaria bem por aqui, talvez o rebatizassem para um nome nacional ou americano, por exemplo. Na imagem acima eu só mudei o logotipo Opel para o da Chevrolet. 

Kadett 1962 poderia ser lançado em 65
Também poderiam inserir posteriormente no mercado um carro popular para concorrer com o VW (Fusca), o DKW e o Gordini,  a solução seria o modelo Kadett 1962, mas será que manteriam o nome Kadett ou antecipariam o nome Chevette?


E se a Chevrolet não tivesse aprovado o Rekord C ? (carro que serviu de base para o Opala)
Nova Original (esq) e a  projeção de como seria a reestilização em 1980 (dir)
 A outra opção natural seria o americano Nova lançado por lá em 1967 viria ao mercado brasileiro em 1970/71, o nome Opala poderia até ser aproveitado, o nova era concorrente natural do Maverick, e com opções coupé e sedan, a direita fiz uma projeção de como seria um face-lift para os anos 80 como aconteceu com o Opala, mas o padrão americano teria a mesma longevidade do Opala (Rekord) já que o Maverick da Ford não chegou até a próxima década.
Caprice (azul) rebatizado para Impala, o carro dourado é uma projeção de como seria sua reestilização para alguns anos depois.

Chevelle/Malibu
Mas se a Chevrolet quisesse um concorrente para o Galaxie da Ford? Tinha o Caprice/Impala 67, que poderia receber apenas o nome de Impala, que é mais conhecido pelo brasileiro, seria uma briga boa com o Galaxie, a projeção do carro dourado é de como ficaria a reestilização para encarar os anos 80, uma frente mais "Opel". Uma opção um pouco menor seria o Chevelle/Malibu modelo 66, com ele a Chevrolet teria o concorrente perfeito para os Dodge aqui no Brasil.



Rekord E seria nosso Opala para os anos 80.

Ressuscitemos o Opala (de plataforma européia) novamente, o Opala como conhecemos passou bravamente pelas décadas de 70 e 80,  mas se ele fosse radicalmente atualizado para a década de 1980 e não apenas uma reestilização? A solução lógica seria o Rekord E de 77 para chegar aqui em 80/81, e dez anos depois abriria caminho para o Omega, talvez.
Senator  para a década de 80 e o Senator para a década de 90
O Senator também seria uma alternativa, nada mais é que uma versão mais luxuosa do Rekord e do Omega, ou aqui poderia se chamar Diplomata?
 Existiu um protótipo projetado no Brasil que foi até mostrado em um salão do Automóvel, era um sedan grande, talvez para substituir o Opala na década de 90, mas parece que foi cancelado e optaram por trazer o Omega mesmo.


Chevette e Marajó para os anos 80 seriam o Kadett D e Kadett Caravan
E se o Chevette tivesse mudado radicalmente para os anos 80?  Seria o Kadett geração D, mas só existia na versão hatch e SW, lançado na Europa em 1980, chegaria aqui em 83/84 para encarar o Ford Escort.
O novo Chevette sedan e a picape Chevy 500
Como não há opção 3 volumes para o Kadett D, acredito que a solução seria caseira, como fiz na projeção acima para o sedan e para a Chevy 500. O sedan ainda não teria 4 portas devido a pouca aceitação para a época.

Primeira geração do Corsa europeu
Ok, nem sempre é fácil lançar certos modelos, pode ser que o Kadett D fosse um pouco mais caro para produzir, uma opção mais acessível seria o Corsa geração A lançado em 83 na europa, poderia vir pra cá em 86/87, e contava com uma versão sedan. O Corsa seria uma arma da GM, pois se pudessem prever a redução de impostos para motores 1.0 que ocorreria no início dos anos 90, teriam o carro certo.

O europeu Ascona ou o americano Vega?
Mas se o Chevette (Opel Kadett) não fosse o escolhido para ser fabricado Brasil?  Nesse caso a única opção seria um carro médio da categoria do Passat ou do Corcel, a opção européia seria o Ascona uma espécie de Monza da década de 70, lançado em 1970 na Europa, poderia ter vindo para cá em 1973/74, eu apenas modifiquei uns detalhes da frente. A opção americana seria o Vega, que era  considerado "compacto" nos EUA, concorria com o Ford Pinto e AMC Gremlin e  tinha um belo visual de "mini Camaro", a versão Fastback concorreria diretamente com o Passat da VW, por ex.

Com o Ascona em produção poderíamos até sonhar com o Chevrolet (Opel) Manta?
 
Sei que isto seria pouco provável mas o Opel GT poderia ter mecânica nacional para combater o SP2 e o KGTC da VW.
 
Outro carro que nunca tivemos foi o Monza Hatch e Kadett com 4 portas (salvo a Ipanema), o Belíssimo Kadett sedan ficaria interessante mas estaria muito perto do Monza, a Caravan (projeção) 4 portas seria uma alternativa.
Quanto aos utilitários poderiamos ter a S-10 já na década de 80 e o Furgão que poderia ser aproveitado no chassi da C/D-20.

Qando terminar o ciclo das décadas anteriores (50/60/70/80) das outras marcas continuarei com as décadas de (90 e 00), portanto, continua...

Obs: O tempo de lançamento em um determinado país até a fabricação e/ou adaptação no Brasil especulei em torno de 3 a  4 anos, por ex. um modelo lançado em 1970 na europa seria lançado aqui em 1974, salvo algumas exceções, claro.
Obs 2: As imagens que tiverem o meu link teve detalhes digitalmente alterados, as sem links são imagens originais.
Obs 3: As especulações seriam baseadas em uma situação  economicamente mais favorável, dificilmente para a nossa realidade.

10 comments:

cRiPpLe_rOoStEr a.k.a. Kamikaze said...

eu ja cheguei a ver umas vans americanas da chevrolet repotenciadas com motor e câmbio da d20... a propósito: naquela época em que a ford vendia o chassi da f1000 para ser encarroçado e transformado em van... se a gmb ja oferecesse um modelo daquela categoria de fábrica provavelmente sairia mais em conta que os modelos de fibra quase artesanais... e tb poderia aproveitar o chassi da s10 para fazer uma van média de tamanho semelhante à chevrolet astro...

Nanael Soubaim said...

O Opel GT não teria dificuldades com o SP2, a própria Volks tratou de estrangular a potência (e as vendas) do modelo.

Quanto ao protótipo da GM, acredito que era jovial e descontraído demais para o público do Opala, ao menos na opinião da fábrica, o Omega era uma opção menos arriscada. Mas que fim levou esse protótipo?

Como gosto muito do Ceprice, acabei gostando da projeção, mas acredito que haveria uma evolução mais freqüente, se fôssemos exigente o bastante para forçar a Chevrolet a trazê-lo para cá, seria bem parecido hoje com o Malibu, mas mais clássico.

O Vega seria um sucesso só pela beleza, ninguém se importaria em correr, preferiria desfilar com ele. É um carrinho lindo de viver.

Da caravan Cinco portas, a Sulan chegou a fazer a transformação, tenho duas imagens de uma do Paraná, mas infelizmente os custos (e o desinteresse da montadora) enterraram a idéia.

Este furgão (ou talvez o Corvair) era tudo o que a Kombi precisava para ter sido tratada com dignidade pela Volks, e hoje nem opção de cor a coitada tem. Faz falta.

Trabalhando duro, Du! Continue assim.

Du said...

Esqueci de citar o Corvair tb.

Sobre o Projeto do Novo Opala de 1990, era uma plataforma mundial de uma minivan que a GM estava projetando, fizeram esse protótipo do sedan encima dessa plataforma, mas a GM cancelou a minivan e o sedan foi de embrulho.

Lembrando tb que o primeiro Camaro compartilhava da mesma plataforma do Nova

cRiPpLe_rOoStEr a.k.a. Kamikaze said...

a minivan em questão era a lumina apv, que tb foi vendida como sendo a 1ª geração da pontiac trans sport e da oldsmobile silhouette... até teve um sedã de nome lumina e que tinha tração dianteira, mas apesar do conjunto de motor e câmbio ser o mesmo da minivan nas versões com motor v6 (o sedã tb teve versões de 4 cilindros que as minivans só tiveram para exportação) as plataformas eram diferentes (as minivans eram com space-frame de aço e carroceria de painéis de fibra enquanto o sedã era monobloco de aço estampado)...

Nanael Soubaim said...

Pois o Corvair é o meu Chevy preferido. Certeza de que se aquele advogado picareta não tivesse feito fama às custas de um carro tão bom, o Chevy aircooled B6 ainda estaria em produção, poluindo pouco e sabe-se lá com quantos cavalos-vapor líquidos.

cRiPpLe_rOoStEr a.k.a. Kamikaze said...

aquele advogado picareta é o ralph nader, e se ele fosse mesmo um cara sério e ético teria metido o pau na volkswagen e até na mercedes-benz... a propósito: ele fez aquele "livro" depois que a gm atualizou a suspensão do corvair usando o sistema de braço semi-arrastado com mola helicoidal... e para piorar, esse picareta usou um vídeo feito pela ford como "prova" da instabilidade do corvair... diga-se de passagem, uns testes feitos por uma universidade do texas e pelo nhtsa DEPOIS do fim da produção do corvair mostraram que o corvair não era tão problemático... quanto ao motor boxer da chevrolet ter permanecido em produção, eu não teria tanta certeza disso mas seria de fato uma opção interessante em algum modelo para concorrer com o subaru legacy (principalmente se mantivesse a vantagem da refrigeração a ar)...

Rafael said...

Como sempre, sua visão é bastante apurada. Realmente se o Brasil fosse um mercado mais avançado (e se as montadoras assim o quisessem) teríamos todos estes modelos. Um bom título p/ este post seria "erros do passado". Sugiro seguir a mesma linha com Ford, Fiat, VW e Chrysler, mostrando o que perdemos naqueles anos. Parabéns novamente, e abraços!

Du said...
This comment has been removed by the author.
Rellik Shredblues said...

Isso é o que dá. O povo brasileiro não discute nada, não participa de nada, aceita passivamente tudo o que as montadoras impõem. E alguns dos resultados são o Vectra GT/GTX, equipado com o maravilhoso motor Monzatech 2.0, o Agile "cara de caminhão", a S-10/Blazer remendada pela 396.999.999ª vez. Isso só para falar dos carros da GM.

oi said...

o nova foi lançado em 61 ou 62 a segunda geração em 65 a 3ª em 1968(foto)e depois seguiu pela quarta e quinta gerações,o camaro foi feito na plataforma do nova(pony car baseado em compactos como o mustang baseado no falcon).